A cigarra e a formiga

Peça infantil, musicada, onde o texto e as músicas, compostas exclusivamente para a peça, contam a história do encontro entre uma Formiga operária e uma dupla de insetos artistas: uma Cigarra e um Grilo (que pensa que é um Louva Deus). O conflito se dá pelas diferenças existentes entre as personagens e se inicia com uma questão: cantar é profissão ou não?

Peça infantil, musicada, onde o texto e as músicas, compostas exclusivamente para a peça, contam a história do encontro entre uma Formiga operária e uma dupla de insetos artistas: uma Cigarra e um Grilo (que pensa que é um Louva Deus). O conflito se dá pelas diferenças existentes entre as personagens e se inicia com uma questão: cantar é profissão ou não?

Na história inspirada em “A Cigarra cantora e a Formiga operária” de La Fontaine, se mantém as duas personagens originalmente criadas e surge a terceira personagem “O Grilo” – músico profissional que com seu violão toca todas as músicas da peça ao vivo.

O espetáculo tem início com a trupe dos contadores e cantadores de histórias que viajam levando as histórias por toda parte.  Com muito humor a trupe se apresenta e ao iniciar a narração da história vão se transformando por meio da composição das personagens que cada um irá interpretar.

Após esta breve abertura, coloca-se o público no contexto da história, onde existe uma Cigarra cantora: uma artista que canta e encanta a todos é muito carismática e vive para a música. Outra personagem a formiga operária vive em função de garantir sua sobrevivência futura, não tem glamour e não se preocupa com a vida social. Ela trabalha feliz e nem percebe que sua alegria em trabalhar é justamente por conta das músicas que ouve diariamente executadas pela dupla Cigarra e Louva Deus.

Todos levam suas vidas separadamente, cada uma com suas convicções e ilusões, até que seus destinos se cruzam quando percebem que suas rotinas estão sendo alteradas devido a falta de água no jardim em que vivem. A Formiga acusa a Cigarra de ser fútil, preguiçosa e esbanjadora de água. A Cigarra critica a Formiga, achando seu trabalho desnecessário.

Depois de muita discussão, trapalhadas e brincadeira, todos percebem a importância e necessidade do trabalho operário e artístico.

Nesta montagem a Cia conta com a direção da atriz e pedagoga Rita Oliveira, que há vinte anos atua em espetáculos direcionados ao público infantil, é brinquedista e pós graduada em educação infantil, pela Esab.  A co-produção é da também atriz e educadora Bruna Potenza. As duas diretoras são professoras de teatro no Centro Cultural Casa de Joana.

As músicas criadas exclusivamente para a peça são de Giliard Sartori, músico que já compôs trilhas para vários espetáculos infantis e dois curtas metragens.

FICHA TÉCNICA DO ESPETÁCULO

Com: Airton Silva, Giliard Sartori e Rita Oliveira

Texto e direção: Rita Oliveira
Co-Direção: Bruna Potenza
Músicas de Giliard Sartori
Direção de arte: Mariana Defendi
Concepção de figurinos: Ana Clara Moreira
Confecção de figurino: Nicias Cardoso
Cenografia: Luiz Humberto Siqueira
Concepção de luz: Airton Silva
Operação de luz: Bruna Potenza
Arte Visual/Cartaz - Lenio Mendes
Coordenador / Produtor Executivo – Juraci Moreira
Produção: Cia São Genésio
Indicação: Livre

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.